segunda-feira, 11 de julho de 2016

Cobrança

Uma das coisas que me estressa muito é a cobrança das pessoas.
Venho observando que elascobram muito de mim, e eu não tô me sentido a vontade com isso.
Como disse anteriormente eu  não gosto de sair de casa, só saio por total necessidade, as vezes vou na casa da minha mãe que mora quasse em frente a minha.
Passo até anos sem ir na casa de meus irmãos e outros parentes.
Minha sogra que amo muito também sofre com minha ausência, mas percebo que ela e os familiares dela entendem minha ausência, porque não me cobram por visitas, ou seja, me deixam bem a vontade pra eu ir quando quero, e quando vou me recebem muito bem.
Mas nem todos são assim, outros familiares e amigos não entendem e acabam por me magoar por achar que sou metida, não gosto deles,etc.....
As vezes falam que não vão mais na minha casa porque eu não vou na casa deles e aí eu tento explicar que não vou em casa de ninguém e que eu não gosto  de sair de casa , mas parece que não querem entender e preferem me julgar e me condenar
 a solidão, por me abandonar e me achar esquisita.
É isso, eu sou cobrada em muitas outras situações, e vou ser cobrada o resto da vida enquanto existir pessoas ignorantes no sentido de não conhecer ou procurar conhecer o que passa na mente de um deprimido.

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Desinteresse pela vida

Eu me pergunto as vezes se vale a pena viver com tanta instabilidade emocional, mas eu mesmo encontro a resposta. Sim vale a pena, porquê?
Porquê apesar de meu problema emocional eu sou fisicamente sadia. Tenho marido, filhas, pai, mãe, irmãos e amigos que me amam e que precisam de mim.
Eu nunca tentaria pela minha vida, pois encaro ela como um presente divino que eu não tenho direito sequer de  tocar nela. Mas em alguns momentos de dolorosas crises a fraqueza falou mais alto e por várias vezes eu pedi pra morrer.
Eu sei que o suicídio já passou pela cabeça de muitas pessoas deprimidas ou não como solução pra algum problema. Eu tenho esperança, aliás, é o que me ajuda a vencer cada dia, eu acredito numa vida eterna e sem sofrimento, me vejo uma pessoa feliz num mundo melhor sem doenças, fome, guerras, injustiça ,medo.......
Minha fé me sustenta e a palavra de Deus me consola. Tenho consciência de que toda a humanidade sofre por alguma coisa, eu sofro de depressão e ponto. Sou diferente no que sinto ou o modo que encaro isso, mas sou igual a todo mundo com seus diversos modos de encarar a vida.
Cada dia é uma oportunidade de ter novas esperanças.
Venci ontem pra contar hoje e vou lutar hoje pra contar amanhã e assim vou vivendo meus dias.
Cada dia vencido é uma luta ganha.

quarta-feira, 6 de julho de 2016

Ansiedade

Se eu tivesse um sobrenome de acordo com minhas emoções esse seria ansiedade.
Estou sempre ansiosa. Pra tudo, desde a saída de casa até o fato de receber uma simples visita, tudo me causa sofrimento.
Sinto medo de desagradar alguém , de ser mal interpretada, de receber elogio em publico e naõ saber como agir, tenho medo de ficar com as portas e janelas abertas se não tiverem grades, medo de arriscar, de conhecer coisas novas.
Esses medos todos causam ansiedade e culpa, aliás, essa palavra´´culpa´´ vou usar muito aqui.
Fico sempre com o coração de sobressalto, estou constantemente lutando contra mim mesma, o que me causa um desgaste emocional muito grande.
Ontem passei o dia sentindo uma daquelas ´´dores fantasmas´´ que falei no texto anterior, passei o dia sendo torturada por uma dor no braço que eu não sei explicar como é, só que doía muito. Mas que hoje até agora não doeu ainda, estranho, mas a depressão traz esses sintomas, não to conseguindo chorar e isso atrapalha eu sair dela mais rápido.
bom, por hoje é isso.

terça-feira, 5 de julho de 2016

Se compensando

Um fato interessante aconteceu comigo há um tempo atrás.
Um belo dia minha irmã querida me deu um cartão de  crédito de presente, pra mim aquilo foi a coisa mais legal que uma pessoa poderia fazer por outra, me senti amada e importante.
Isso teria sido trágico se eu não tivesse aprendido a lição com o que aconteceu pouco tempo depois.
Bom, eu estava trabalhando na época e comecei a entrar numa crise terrível de depressão. (Nota: O deprimido não é deprimido o tempo todo, existe fases chamadas crises desencamihadas por diversos fatores que fazem a pessoa entrar no estágio de
tristeza e descontentamento).
Continuando, eu entrei nessa faze e comecei a me compensar comprando coisas, ou seja, buscando me satisfazer nas coisas materiais.
Resultado :Estourei o cartão. Perdi o controle por assim dizer. E o pior é que mesmo comprando eu não me sentia bem, parecia que eu estava nadando pro fundo do mar na tentativa de ajudar a mim mesma.
Eu ia trabalhar e chorava sobre a máquina de costura, foram vários dias assim, e como qualquer chefe teria feito acabei sendo demitida.
O chefe alegou falta de verba pra pagamento e que não via saída senão me demitir.
Aceitei aquela situação no momento pois estava me sentindo emocionalmente exausta. Passado alguns dias  me abateu um sentimento de inutilidade, de incapacidade mesmo.
Esse foi o começo de dores maiores.
Dias depois chegou a fatura do cartão 485 reais, quase tive um Treco.
Sofri até meu marido chegar, com medo de contar pra ele, mas ele me ouviu e falou pra eu ficar tranquila que ele pagaria aquela e mais as outras quatro que viria a seguir de valor parecido.
Senti um mix de emoções, alegria e culpa por ter criado aquela divida pro meu marido pagar sendo que nosso orçamento já andava apertado, só de aluguel ele pagava 450 reais.
E os dias passavam e tristeza misturada com a culpa me consumia. Caí de cama, só saia dela pra levar minhas filhas na escola e fazer comida pra elas, parei de comer e larguei tudo. Nessa época fui ajudada por irmãos na fé que me consolaram com a palavra de Deus e uma irmã na fé e minha irmã de sangue me levaram ao médico e cuidaram de mim.
Com a medicação fui melhorando.Saí da crise.
Assim que melhorei procurei minha irmã e agradeci imensamente por ela ter me confiado um cartão em seu nome mas eu não estava pronta pra  usar com sabedoria aquele presente, então devolvi o cartão pra ela.

Falando das dores

                


Imagina você  sentir dores e não ter explicação do ponto de vista médico. É uma tortura física muito grande.
Um dia desses eu estava com dores de cabeça todos os dias, estava muito irritada e pra piorar apareceu uma dor no dedo que me torturava. Conversando com uma amiga farmacêutica, ela me disse que eu poderia estar numa crise depressiva dai ela me indicou um remédio natural vendido  ali mesmo em sua farmácia.
Tomei o remédio pela manhã e pra minha surpresa sumiu todas as minhas dores, e o remédio nem era pra dor.
Sumiu dor de cabeça, dor no dedo, sumiu tudo como um passe de mágica.
Conclusão a depressão não causa só o choro, ou a dor emocional, ela causa dores físicas intensas.
Eu sinto "dores fantasmas", chamo assim porque não dói num ponto específico e nem dói ao tocar no lugar, é uma dor invisível.
Sinto também muita dor na orelha, essa é terrível.
As dores que sinto as vezes me tortura por dias. 
Então meus queridos, depressão não é frescura, é doença séria, não é contagiosa, mas precisa de cuidados.
Se tiver em seu convívio alguém nessa situação, ajude-a a  ter uma qualidade de vida melhor, dando carinho,cuidado e atenção.


                Um abraço a todos

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Ontem, domingo 03 de julho de 2016

Um dia normal como qualquer outro apesar de ser domingo. Não consigo diferenciar o domingo de outro dia da semana, a não ser pela  rotina diária que muda.
Tenho percebido que meus dias são um pouco mais cinzento que de outras pessoas. fico muito em casa só saio quando extremamente necessário. Não consigo me lembrar quando foi que sai pra passear ou que senti vontade de sair. Não me sinto mal por isso, mas me incomoda quando sou cobrada por não fazer isso.
Eu tenho 44 anos sou casada, tenho duas filhas de 12 e 18 anos e desde que me entendo sou deprimida, desde minha infância.
Voltando ao fato de ser domingo cumpri minha ´´rotina dominical´´.
Levantei, tomei café, fiquei na cama até quase 10 horas. Lavei roupa, limpei quintal, fiz almoço, fiz crochê,esquentei a janta e fui dormir as 22 horas. Como falei anteriormente, eu não diferencio o domingo de outros dias da semana. Detalhe eu não trabalho fora.
Bom, continuando eu sou assim as vezes faço strogonof  na segunda e angu no domingo, eu só distingo os dias que estou bem daqueles que não to muito afim , e assim vou levando a vida.
as vezes minha depressão incomoda mais o outro que a mim mesma sabe?